Kei Kamara vs. Philadelphia Union 2017-18 secondary
Bill Streicher-USA TODAY Sports

Revolution vai tentar aproveitar o impulso da vitória de sábado passado

Como faltam apenas 14 jornadas para o final do campeonato, todos os jogos assumem agora uma importância ainda maior, especialmente quando são, como é o caso, contra adversários da mesma conferência e que lutam pelos mesmos objetivos. Esta será portanto uma boa oportunidade para que o New England Revolution (6-9-5, 23 pontos, décimo lugar) possa melhorar a sua posição na tabela classificativa pois vai receber o Philadelphia Union (7-9-5, 26 pontos, oitavo) em jogo a disputar no sábado, no Gillette Stadium.

O início do encontro está marcado para as 19:30. A transmissão televisiva continua a cargo da equipa da CSN New England, com o relato por Brad Feldman, os comentários por Paul Mariner e as entrevistas conduzidas por Naoko Funayama. O relato em inglês pertence à 98.5 The Sports Hub e em Português à 1570 WMVX Nossa Rádio.

A importância dos regressos

No sábado passado o Revolution entrou em campo numa altura em que estava a atravessar a fase mais complicada da temporada, pois havia sofrido quatro derrotas consecutivas. Mas, o regresso a casa resultou também no regresso às vitórias e coincidiu igualmente com o regresso de vários jogadores que haviam estado afastados da equipa, uns por lesão, outros por estarem com as suas seleções nacionais.

Kelyn Rowe, que jogou pela seleção dos Estados Unidos, regressou à titularidade e Xavier Kouassi fez os primeiros minutos desde 31 de Maio, altura que se lesionou frente ao New York City FC.

Esta semana o médio Daigo Kobayashi, recuperado de lesão muscular, regressou aos treinos. E os internacionais Juan Agudelo e Je-Vaugh Watson, que estiveram frente a frente na final da Copa de Ouro na quarta-feira à noite, também vão estar disponíveis no sábado.

Curiosamente, nesse jogo Watson ganhou a luta individual pois foi ele o autor do golo da seleção da Jamaica, mas Agudelo, que não chegou a sair do banco, conquistou o título coletivo porque os Estados Unidos venceu a final, 2-1.

Os regressos foram talvez a notícia mais agradável dos últimos tempos para o grupo de trabalho.

“Fomos atingidos pelas lesões e convocações para as seleções nacionais,” indicou o técnico Jay Heaps. “Não demos desculpas, simplesmente arregaçámos as mangas e procurámos fazer o nosso trabalho, e agora estamos numa situação em que temos mais jogadores [disponíveis] e estamos concentrados em Philadelphia, no sábado.”

Portanto ninguém quis apresentar desculpas para os maus resultados, mas o certo é que as ausências de pedras importantes decerto contribuiu para a série de resultados negativos.

“Durante aquela fase difícil que nós atravessámos, estivemos sem dois dos nossos jogadores mais influentes [Juan Agudelo e Kelyn Rowe], três se incluirmos o Je-Vaughn (Watson), e depois havia os lesionados, o [Xavier] Kouassi e o Daigo [Kobayashi],” relembrou o lateral esquerdo Chris Tierney. “Ter todos os jogadores disponíveis é algo que todas as equipas desejam e, conforme dissemos, ficámos satisfeitos por eles terem sido selecionados, mas também estamos satisfeitos por regressarem.”

O médio Diego Fagundez, que está presentemente na melhor forma da sua carreira, relembrou que os regressos são ainda mais importantes porque o Revolution tem um plantel algo reduzido. Por isso, qualquer ausência terá sempre um impacto importante no grupo de trabalho.

Mas, em contra partida, quando alguém falha um jogo, cria-se uma oportunidade para os que são menos utilizados.

“Todos sabem o que é preciso fazer dentro do campo, temos que estar preparados para entrar e fazer o nosso trabalho,” salientou Fagundez. “E vimos isso com o Teal [Bunbury], que entrou e ajudou-nos, marcou dois golos, é importante ver isso. Ao fim do dia, todos sabem qual é a sua missão, por isso temos todos que entrar em campo e dar 110 por cento.”

A explosão de Teal Bunbury

Curiosamente, a maior contribuição na vitória de sábado passado frente ao LA Galaxy, 4-3, até nem surgiu de um dos regressados, mas sim de alguém que tem estado com o grupo desde o primeiro dia. Teal Bunbury, que passou largas faixas da temporada no banco e que totalizara apenas 320 minutos nos primeiros 19 jogos da equipa, entrou na segunda parte e obteve os dois golos que deram a vitória ao Revolution.

Depois do final da partida, o técnico Jay Heaps confessou que a decisão de não ter dado a titularidade a Bunbury fora tomada apenas na véspera no jogo. O jogador não gostou, mas respondeu da melhor forma e criou mais (boa) dor de cabeça para o treinador ao bisar na partida.

“Temos muitos jogadores talentosos nesta equipa, muitas opções,” disse Bunbury quando lhe perguntaram para comentar a sua situação. Mas, de imediato acrescentou que na sua opinião nada mudou, não obstante ter marcado dois golos.

“Eu vou continuar a treinar como penso que tenho estado a treinar durante todo o ano, mostrando aos treinadores que quero ser titular, que eu quero estar a jogar,” explicou Bunbury. “Vou tentar tirar o máximo proveito, mantendo a minha confiança em alta, e continuar a trabalhar, continuar a melhorar, a fazer melhorar os meus colegas de equipa e a ajudar a equipa conforme puder.”

Jogo vale seis pontos

O Revolution e o Union têm feito uma temporada semelhante, pelo que não é de estranhar que se encontrem separados por apenas três pontos na tabela classificativa. E essa diferença pontual só ocorreu na quarta-feira à noite quando o Union, que passa a ter um jogo a mais, derrotou Columbus, 3-0.

“Temos que recuperar rapidamente e ir à Nova Inglaterra, que é uma equipa que está basicamente na mesma zona na tabela classificativa como nós,” disse o técnico James Curtin logo após o final da partida. “Temos que cumprir fora de casa e fazer um melhor trabalho na obtenção de pontos fora de casa.”

Em jogos deste tipo estão verdadeiramente em disputa seis pontos. Caso consiga ganhar, o Revolution apanha o Union na classificação, mas se perder vê a desvantagem em relação à turma de Philadelphia aumentar para seis pontos. Devido a esse panorama, para o Revolution, a temporada entrou numa fase em que não há tempo a perder, é urgente ganhar, levar um jogo de cada vez com a mentalidade de que o encontro que se segue vai ser sempre o mais importante.

“Absolutamente, penso que estamos [na fase] de um jogo de cada vez,” confirmou Jay Heaps. “Temos que colocar toda a nossa concentração em progredir em cada jogo mas tendo a certeza que a nossa concentração está 1.000 por cento virada para o jogo que se segue.”

O regressado Kelyn Rowe reconhece que nesse aspeto os pontos são mais importantes do que a qualidade das exibições, algo que ficou bem claro no triunfo de sábado passado sobre Los Angeles.

“Precisamos de jogar bem, fazer as coisas certas e precisamos de um bocado de sorte,” sugeriu Rowe. “Conseguimos fechar [defensivamente] e encontrar maneira de conquistar os pontos e isso é necessário, especialmente nesta altura do ano.”

“Esta fase, a partir de agora e até ao fim, vai ser a fase mais importante que tivemos este ano,” concluiu Diego Fagundez. “E por isso temos que estar motivados e preparados para o que aí vier.”

E para que não surjam surpresas frente a Philadelphia, o Revolution terá de melhorar alguns aspetos no sistema defensivo da equipa, pois o setor mais recuado esteve muito vulnerável nas bolas paradas frente a Los Angeles.

“Sabemos que se consentirmos três golos em casa não podemos esperar ganhar muitas vezes,” avisou Chris Tierney.

“É bem claro que os remates que permitimos foram em jogadas que vieram de cenários de bola parada,” acrescentou Jay Heaps. “LA é muito bom nisso e para nós foi um teste de fogo, mas ao mesmo tempo temos que aprender com esses momentos, que cada cruzamento, cada bola que é enviada [para a grande área] pode ser perigosa e foi isso que aconteceu no fim-de-semana.”

O regresso de Xavier Kouassi, que esteve muito mais solto de movimentos durante os treinos desta semana, deverá ajudar a resolver o problema.

“Ele [Kouassi] tem um excelente equilíbrio, uma excelente capacidade para destruir jogadas e também traz uma sensação de acalmia à equipa,” disse Jay Heaps.

“Pode-se ver nos jogos em que ele participou este ano que estivemos bastante seguros,” acrescentou Chris Tierney. “Ele trabalha imenso para desfazer as jogadas adversárias, sabe-se colocar bem. Já viram a nossa equipa com ele e sem ele e ele é parte importante do nosso grupo, pelo que quanto mais depressa ele regressar e recuperar a forma física, melhor será para nós.”

Philadelphia tem sido adversário difícil

O comportamento das duas formações na temporada em curso sugere um franco favoritismo para o Revolution no jogo de sábado, pois a equipa obteve 20 dos seus 23 pontos nos encontros disputados no Gillette Stadium. Por sua vez, o Union só conseguiu uma vitória nos 10 jogos realizados fora de casa. Mas, e há sempre um mas, nos jogos entre estas duas equipas o Union tem sido nitidamente superior pois só sofreu duas derrotas nos 10 encontros disputados contra o Revolution.

“É uma boa equipa,” avisou Jay Heaps. “Temos que lhes dar o nosso melhor. Infelizmente, eles têm tornado as coisas difíceis para nós e nós não temos conseguido criar ritmo contra eles.”

No último jogo, disputado a 2 de julho, o Revolution, num jogo em que não pode contar com várias pedras importantes --Antonio Delamea e Xavier Kouassi devido a lesão; Kelyn Rowe, Juan Agudelo e Je-Vaughn Watson, que estavam com as suas seleções nacionais, e ainda Diego Fagundez, que estava a cumprir um jogo de castigo—, foi goleado por 3-0. 

O jogo começou da pior maneira possível para os Revs pois o árbitro Chris Penso considerou que Benjamin Anguoa fizera um corte com a mão dentro da grande área logo aos dois minutos de jogo. CJ Sapong converteu o castigo máximo no primeiro golo do encontro.

O Revolution tentou ir à procura do prejuízo, mas sofreu o segundo golo logo no início da segunda parte e não conseguiu recuperar. Para evitar a repetição dessas cenas, Jay Heaps salienta que “é importante que o jogo, a certa altura, seja disputado à nossa maneira, as últimas vezes que jogámos contra eles, nunca estivemos no jogo, por isso é crítico que façamos isso a partir do apito inicial.”

Chris Tierney concorda plenamente.

“Temos que fazer com que o jogo seja disputado à nossa maneira e não permitir que eles fiquem em vantagem,” acrescentou Tierney. “Temos que os colocar debaixo de pressão, manter a bola na zona deles e obrigar os defesas deles a defender.”

A concluir, Kelyn Rowe deixou alguns recados para os seus colegas.

“Precisamos de jogar melhor do que fizemos, em termos ofensivos, defensivos, temos que ter a certeza que os pontos de arranque estão melhor,” disse Rowe.

Rowe fez estas observações por considerar que nem todos os jogadores do Revolution deram o seu melhor no jogo de 2 de julho.

“Temos que ter a certeza que vamos estar a movimentar-nos coletivamente, e não apenas alguns dos nossos jogadores. Por vezes, durante o jogo, eles abriram espaços porque não pressionámos de forma coletiva,” acrescentou Rowe.

“Será que vamos esclarecer essas coisas, ver o filme do jogo, fazer o trabalho tático e pôr as ideias em ordem?” perguntou Kelyn Rowe depois do treino de terça-feira.

As respostas vão ser dadas no sábado, mas quem assistiu aos treinos desta semana decerto saiu convencido que a equipa do Revolution é um grupo confiante, ciente de que com o plantel completo a subida na classificação vai ser um dado adquirido.

Topics: