Highlights: Revolution 0, Real Salt Lake 0  |  July 16
USA Today Sports Images

Revolution quer que regresso a casa seja também o regresso às vitórias

Com sete dos próximos onze jogos a disputar no seu terreno, no Gillette Stadium, o New England Revolution vai ter oportunidade de começar a subir na tabela classificativa. A série caseira começa já no sábado, frente ao Real Salt Lake.

O encontro entre o New England Revolution (2-4-4, 10 pts.) e o Real Salt Lake (2-6-2, 8 pts.) terá início pelas 19:30, com a transmissão televisiva a pertencer à CSN New England, com relato de Brad Feldman, comentário de Paul Mariner e entrevistas por Naoko Funayama. O relato em inglês será transmitido pela 98.5 The Sports Hub e em Português pela 1570 WMVX Nossa Rádio.

Derrota frustrante em Columbus

O Revolution regressa a casa depois de mais uma derrota fora de casa, 0-2, desta feita em Columbus, frente ao Crew. Foi mais um resultado frustrante porque a equipa criou várias oportunidades que não conseguiu concretizar e sofreu dois golos resultantes de lapsos defensivos.

Os golos surgiram no início de cada uma das duas partes. Aos 13 minutos, a equipa ficou desequilibrada depois de uma perca de bola, um passe longo de Justin Meram, no flanco esquerdo, encontrou Ola Kamara solto de marcação e o remate violento deste não deu hipóteses ao guardião Cody Cropper.

O Revolution respondeu bem e até teve algumas oportunidades, a melhor das quais surgiu aos 21 minutos quando o tiro do médio Lee Nguyen bateu estrondosamente na trave e não entrou.

Depois disso, Juan Agudelo por duas vezes, um cabeceamento do defesa Josh Smith e dois remates do avançado Diego Fagundez ou estiveram perto do alvo ou obrigaram o guardião Zack Steffen a defesas apertadas.

Na segunda parte, quando o Revolution dava indicações de poder chegar ao golo, seria a turma da casa a tornar a marcar, aos 53 minutos. Desta feita, o passe de Kamara descobriu Federico Higuain e o médio argentino conseguiu bater Cropper para assegurar a vitória.

“Não tivemos a qualidade que normalmente temos,” reconheceu o técnico Jay Heaps após o final da partida. “[Neste jogo] estivemos um pouco mal no último terço do campo, e penso que na primeira parte houve oportunidades, mas nós perdemos uma bola e fomos castigados por isso.”

“Talvez seja necessário haver uma melhor comunicação com os nossos médios para fazerem marcação mais apertada aos jogadores que estão à nossa frente,” acrescentou o central Josh Smith, que neste jogo regressou à titularidade. Para ele, será importante “tentar comunicar e trabalhar nisso.”

Caldwell torna-se segundo jogador da formação do Revs a chegar aos 10.000 minutos

Aos 71 minutos de jogo, o jovem médio Scott Caldwell tornou-se no segundo jogador da formação do England Revolution a atingir os 10.000 minutos de jogo, marca que o colega de equipa Diego Fagundez também alcançara a 8 de abril.

“Para mim, é um momento de orgulho, estou muito feliz por o ter conseguido, com o Revolution,” disse Caldwell, natural de Braintree, depois do treino de terça-feira.

Depois de confessar que “quando a época começou, eu nem sequer sabia que existia um marco destes,”, Caldwell sugeriu que este tipo de sucesso poderá ter um impacto tremendo na formação.

“Foi ótimo, pois permite ver o sucesso que a nossa academia tem tido aqui,” acrescentou Caldwell. “É algo que os jovens na academia podem admirar, pois têm uma verdadeira oportunidade pela frente, da qual podem tirar proveito.”

Para além da popularidade de que goza entre os adeptos do clube, Caldwell tem também o respeito de todos no balneário.

“Podem perguntar a qualquer pessoa que pertença a esta organização, todos adoramos o Scottie, ele é um excelente colega de equipa, muito boa pessoa dentro e fora do campo, é ótimo ter realizado um feito destes,” disse Andrew Farrell.

“Pessoalmente, por ser um dos seus melhores amigos, pois ele é uma excelente pessoa, considero que mereceu todos os minutos que jogou, estamos muito orgulhosos dele e esperamos que consiga mais 10 mil.”

“Ele vem para trabalhar todos os dias, trabalha imenso, joga bem seja qual o for lugar em que o colocarmos, é versátil, e tem boa presença no balneário,” concluiu o técnico Jay Heaps.

É importante começar a recuperar terreno em casa

Jogar em casa normalmente cura muitos dos problemas do New England Revolution, que ainda não perdeu no Gillette Stadium na temporada em curso. Por isso, as perspetivas para os próximos tempos são francamente animadoras pois os Revs vão disputar sete dos próximos 11 jogos no seu terreno, e cinco desses jogos serão frente a adversários da mesma conferência.

Pra já, é imperativo que se esqueçam os desaires recentes e que a equipa comece a concentrar-se em conseguir o máximo de pontos nestes jogos em casa.

“O que é verdadeiramente importante é estarmos focamos no [Real] Salt Lake, que analisemos o que fizemos bem e mal no fim-de-semana [passado], e estarmos preparados para uma boa equipa de Salt Lake, no sábado,” salientou o técnico Jay Heaps.

“Obviamente estamos desiludidos com os resultados mais recentes, mas temos que continuar com o pensamento positivo porque se baixarmos a cabeça isso poderá afetar-nos nestes jogos em casa,” acrescentou o lateral Andrew Farrell. “Temos que entrar em todos os jogos com uma atitude positiva. Sabemos que somos tão bons como qualquer outra equipa na liga.”

“Já demonstrámos nesta temporada que podemos ser uma boa equipa em casa, por isso penso que temos que continuar com essa mentalidade, sermos fortes e jogarmos perante os nossos adeptos conforme fizemos no passado,” concordou o guardião Cody Cropper.

“Vamos estar a jogar perante os nossos adeptos, nós queremos que este seja um campo difícil para os nossos adversários, e penso que este ano, até agora, tem sido assim, pois ganhámos os dois primeiros jogos e depois tivemos dois empates,” relembrou o médio Scott Caldwell.

“Mas, temos que estar todos concentrados, primeiro a defender, depois a atacar, para eventualmente marcarmos os nossos golos, é importante, acima de tudo conseguir ganhar o jogo.”

O regresso de Gershon Koffie

Na segunda-feira, último dia para inscrever novos jogadores, o New England Revolution adquiriu, por empréstimo da formação Sueca do Hammarby IF, o médio Gershon Koffie, que representou a equipa em 2016.

No ano passado, Koffie, 25 anos, natural do Gana, fez 22 jogos pelo Revolution, 19 como titular, mas não se conseguiu impor no Hammarby IF, pois fora titular apenas duas vezes.

Para o Revolution, será reforço importante.

“O Gershon teve sucesso connosco na última temporada e sentimo-nos afortunados por o termos conseguido readquirir,” explicou Michael Burns, Director Técnico do Revolution. “Estamos ansiosos pelo seu regresso para o que resta de 2017 e esperamos que ele consiga entrar e tenha um impacto imediato.”

Conforme seria de prever, pois Koffie foi um jogador muito popular no balneário, o seu regresso caiu muito bem no seio da equipa.

“Penso que estamos todos entusiasmados pois ele é uma excelente pessoa, é um jogador muito talentoso, muito atlético e físico dentro do campo,” disse Scott Caldwell. “E também é capaz de fazer os passes penetrantes de que precisamos. Ele é um jogador talentoso. Estamos entusiasmos por estar de volta.”

Para o guardião Cody Cropper, Gershon Koffie traz “estabilidade à defesa. Eu penso que ele demonstrou isso nos anos em que esteve nesta liga e obviamente com a nossa equipa, vai ser um excelente reforço para a nossa defesa e para a nossa linha média, e vai encaixar bem ao lado do Scott Caldwell, do Daigo [Kobayashi] e do [Xavier] Kouassi.”

“É um excelente jogador, é bom tecnicamente, consegue fazer os passes longos quando estamos a atacar, é um excelente jogador e uma boa pessoa dentro e fora do campo,” acrescentou Andrew Farrell. “É um reforço importante e o seu regresso penso que vai melhorar a nossa linha média apesar de termos muitos jogadores para esses lugares.”

Na realidade, o Revolution está bem servido na linha média, sector que conta com Scott Caldwell, Diego Fagundez, Daigo Kobayashi, Xavier Kouassi, Lee Nguyen e Kelyn Rowe. Mas, a agressividade de Koffie melhora a equipa, pelo que o seu regresso recebeu o aval total do técnico Jay Heaps.

“Trata-se de alguém sobre quem, obviamente, nós como equipa técnica, tivemos imensa consideração no ano passado devido à forma como ele teve impacto na nossa maneira de jogar. Na realidade, no final do ano era um dos nossos melhores jogadores a manter o nosso meio-campo forte e a ajudar-nos a defender melhor,” explicou Heaps.

Devido a isso, Koffie traz à equipa “um pouco mais de versatilidade no que podemos fazer ofensivamente por ser um pouco mais agressivo, porque há que fazer cobertura, também. Além disso, para mim, coloca-nos em posição de podermos atacar um pouco mais, porque temos bons defesas e portanto ficamos melhores em termos defensivos.”

Real Salt Lake tem equipa muito jovem

O Real Salt Lake também não tem tido um bom começo de temporada, pois registou apenas duas vitórias nos primeiros 10 jogos, totalizando duas vitórias, uma em casa, outra fora.

“É um grupo que trabalha imenso, vai haver muitos jogadores jovens que vão jogar para tentar mostrar o seu valor, e por isso nós vamos defrontar jovens muito entusiasmados a quem temos que mostrar que somos a melhor equipa,” avisou Scott Caldwell.

Na realidade, o RSL é uma equipa jovem, pois 12 dos seus jogadores têm 23 ou menos anos de idade. E o plantel foi reforçado esta semana com a aquisição do avançado venezuelano Jefferson Savarino.

O jogador chega por empréstimo do Zulia e com bons créditos já que obteve 22 golos e 12 assistências nos 48 jogos em que atuou na primeira divisão da Venezuela.

Savarino será, portanto, mais uma ameaça a ter em conta.

“Eles têm um bom grupo de jogadores,” reconheceu Jay Heaps. “Acho que o [treinador] Mike [Petke] está a tomar o pulso ao grupo e definitivamente a mudar a identidade da sua equipa. Eles chegam cá, jogam duro, um jogo físico, trabalham arduamente, por isso nós vamos estar preparados para um grupo que está com fome para vir aqui e jogar.”

“Têm sempre uma boa equipa, oferecem sempre boa resistência, obviamente tanto eles como nós não temos estado muito bem, por isso o jogo de sábado vai ser um jogo importante para as duas equipas,” concluiu Andrew Farrell.

Topics: