Revs Celebrate Goal at IMFC
Eric Bolte-USA TODAY Sports

Com dois dos três últimos jogos em Foxboro, o Revolution ainda pode conseguir o apuramento para os play-offs

A série de três vitórias consecutivas foi interrompida no domingo passado em Columbus, num jogo em que o New England Revolution se viu privado de quatro titulares – José Gonçalves, Gershon Koffie, Je-Vaughn Watson e Kelyn Rowe. Os três primeiros estiveram ausentes devido a lesão e a sua disponibilidade para o jogo de sábado continua em dúvida, mas Kelyn Rowe, que esteve hospitalizado durante três dias, já regressou aos treinos.

Rowe, que na semana anterior havia sido designado o ‘Jogador da Semana’ na MLS devido à excelente exibição frente a Montreal, onde bisou e assistiu no outro golo na vitória, 3-1, sobre o Impact, falhou a deslocação a Columbus porque apanhou uma infeção e inflamação nos intestinos que o obrigaram a passar três dias no Massachusetts General Hospital.

“Eu nunca estive no hospital. Eu nunca fico doente,” disse Rowe. “Foi um choque.”

O regresso de Kelyn Rowe será importante

Felizmente, Rowe já está recuperado e já regressou aos treinos, algo que deixou os colegas bastante agradados.

“[O Kelyn] está a melhorar, ainda estamos no princípio da semana e poder contar com ele vai ser importante,” disse o treinador Jay Heaps. 

“O Kelyn tem sido importante,” acrescentou o médio Lee Nguyen. “Obviamente ele traz muita energia, é mais um jogador que cobre muito espaço, não apenas em termos defensivos, mas também nos consegue ajudar no ataque, nas descidas rápidas, por isso será bom contar com ele novamente este fim-de-semana.”

Para o defesa-esquerdo Chris Tierney, Kelyn Rowe “dá-nos sempre a possibilidade de tirarmos algo do nada, consegue marcar golos, algo que precisamos obviamente, tem estado em excelente forma, foi pena não ter jogado no passado fim-de-semana, mas uma das coisas que o Kelyn faz e que não recebe o devido reconhecimento é o seu ritmo de trabalho, é um jogador que está sempre em todo o lado, cobre muito espaço, coloca as equipas adversárias debaixo de pressão, por isso esperamos que continue a progredir porque seria muito bom poder contar com ele este fim-de-semana.”

No primeiro treino da semana a equipa tentou analisar e digerir a derrota em Columbus que, não obstante as ausências dos quatro titulares, ficou marcada por uma exibição aquém das expectativas, especialmente atendendo às excelentes exibições apresentadas nos três jogos anteriores.

“Tu analisas sempre para ver o que é preciso corrigir, mas a realidade é que já estamos a pensar no Sporting de Kansas City,” disse Jay Heaps, que prefere olhar para o futuro, pois dois dos três últimos jogos da temporada vão ser em Foxboro.

“Não temos tempo para pensar no passado, estamos a entrar na reta final, continuamos a sentir-nos bem em relação à forma como temos vindo a jogar,” acrescentou Chris Tierney. “Obviamente as coisas não nos correram de feição no passado fim-de-semana, mas vamos continuar com o pensamento positivo, é a única coisa a fazer nesta altura, especialmente porque vamos jogar em casa, esperamos ganhar, e por isso acho que vão ver uma melhor exibição este fim-de-semana.”

Para Lee Nguyen é importante “tirar as ilações, deixá-la [a derrota] para trás e concentrarmo-nos no próximo jogo, só faltam três jogos, temos de levar um de cada vez e ver o que é que se vai passar.”

Revolution precisa de impor o ritmo de jogo frente a Kansas City

Para Jay Heaps um dos problemas do jogo de Columbus foi a forma como a turma da casa conseguiu impor o ritmo de jogo. Para regressar às vitórias, o New England Revolution terá de fazer o mesmo em Foxboro.

Depois de confirmar que fala imenso com os seus jogadores sobre a necessidade de impor o ritmo mais favorável ao sistema de jogo da sua equipa, Jay Heaps avisou que “o Sporting de Kansas City é uma equipa veterana e por isso eles sabem jogar fora de casa, conforme demonstraram a semana passada, quando conseguiram os três pontos. É uma equipa perigosa para defrontar em casa, mas ao mesmo tempo já não há tempo esta época para nós não conseguirmos jogar à nossa maneira.”

“É muito importante [impor o ritmo de jogo], acrescentou Chris Tierney. “Nós queremos ter a posse de bola e ter um melhor controle de jogo do que tivemos no passado fim-de-semana. Em casa nós somos bons na posse de bola e a obrigar a outra equipa a defender. Vamos tentar regressar a isso, e como disse anteriormente agora é deixar para trás o passado fim-de-semana e olhar para o futuro. Para nós vai ser muito importante manter a posse de bola e coloca-los debaixo de pressão este fim-de-semana e é isso que esperamos poder fazer.”

Lee Nguyen concorda que impor o ritmo mais adequado é muito importante, pelo que pretende “colocar tanta pressão como possível sobre eles. Se conseguirmos fazer isso, provavelmente vamos conseguir um ou dois golos, o que nos vai colocar em boa posição para arrumar o jogo.”

Jogo contra Kansas City “vai ser uma batalha”

O Revolution entra em campo na sétima posição na tabela classificativa, a quatro pontos do D.C. United no sexto posto, último que dá acesso aos play-offs. Mas, dos três últimos jogos dois serão em Foxboro e o outro terá lugar em Chicago, frente ao lanterna vermelha, pelo que ainda nada está decidido. Por isso, o importante é levar um jogo de cada vez.

Para Chris Tierney, o jogo contra Kansas City “vai ser uma batalha, não há dúvidas sobre isso, eles estão numa luta apertada por um lugar nos play-offs na Conferência Oeste, por isso eles não vão ficar contentes por virem aqui perder. Estamos à espera duma luta, mas a nossa mentalidade este ano tem sido: se nós conseguirmos corresponder à luta dos adversários a nossa qualidade vai emergir, especialmente porque estamos a jogar no nosso campo. Vamos ter que fazer isso, corresponder à fisicalidade deles para podermos jogar.”

Já para Lee Nguyen, o importante é ter “paciência com a bola e compreender que a posse de bola vai-nos ser favorável neste jogo, por isso temos que trocar a bola e saber que assim os espaços vão aparecer.”

Nos últimos anos tem sido assim, o Revolution tem entrado na reta final do campeonato com a necessidade de conquistar pontos e o certo é que o tem conseguido. Resta saber se essa experiência poderá ser benéfica nesta ponta final.

“Como equipa técnica já estivemos nesta situação anteriormente, mas o que eu penso que ajuda é o fato dos jogadores já terem passado por isto,” indicou Jay Heaps. “Temos um grupo de rapazes que já estiveram nesta situação, compreendem a importância de cada jogada. As nossas reações terão de ser rápidas. Do ponto de vista da equipa, do ponto de vista da organização é seguir em frente rapidamente estar preparado para sábado.”

O Sporting de Kansas City também está envolvido na luta pelos play-offs. Presentemente ocupa o quinto lugar na Conferência Oeste, com escassos dois pontos de vantagem sobre o Portland Timbers e três em relação aos Sounders, mas a turma de Seattle tem menos dois jogos. Portanto, uma derrota neste jogo decerto complicará a situação da equipa, garantia de que vamos assistir a uma partida muito disputada.

O pontapé de saída, no Gillete Stadium, em Foxboro, está marcado para as 19:30 de sábado.

Conforme já é habitual a transmissão televisiva estará a cargo da Comcast SportsNet e o relato do jogo, em inglês, será na 98.5 The Sports Hub, e em Português na WMVX 1570 AM “Nossa Rádio”.

Topics: